A Festa da Menina Morta


Sinopse: A história de Santinho, jovem alçado à condição de líder espiritual numa comunidade ribeirinha do Alto Amazonas ao realizar um milagre após o suicídio de sua mãe.

Um dos maiores méritos de A Festa da Menina Morta está na construção do roteiro. O passado dos personagens é fornecido aos pedaços e fora de ordem principalmente pelos diálogos, deixando a inteligência do público juntar as peças e construir toda a situação. A história se passa em uma pequena cidade no interior do Amazonas; portanto, isolada dos grandes centros urbanos. O cenário concebido é cheio de detalhes e, por isso, ricamente autêntico.

Quem assistir ao começo do trailer poderá contemplar um dos desses detalhes que aumentam a verossimilhança da fictícia comunidade. A canção da menina morta é um tema que consegue ser marcante e verdadeiro, remetendo às variadas crendices do povo brasileiro. Por outro lado, quem assistir ao trailer até o fim pode não ficar tão contente. Além da mensagem não ficar clara, a maior parte da peça utiliza a sequência final do filme, tirando a surpresa.

Infelizmente o trailer fraco não é o único mau hábito do cinema nacional perpetuado em A Festa da Menina Morta: as atuações teatrais de alguns atores é outra característica poluidora que não podemos mais aceitar em nossos filmes. Tal falha só é acentuada pelos bons trabalhos de outros membros do elenco, como Dira Paes (A Grande Família – O Filme) e Daniel de Oliveira (Zuzu Angel).

O tema do filme, com pode se supor pelo título, é a morte. Mesmo assim, a todo o momento chegam cenas ou pequenas imagens que querem reforçar a temática quase à força. É uma insistência tamanha que chega a aborrecer, mas pode agradar quem não quer ver economia na tela.

 

Nota:
Crítica por: Edu Fernandes (HomemNerd)