O Voo
20.02.2013
Janaina Pereira

Denzel Washington é um dos melhores atores americanos, mas vinha trabalhando em filmes bem abaixo do seu talento. Duas vezes premiado no Oscar - como coadjuvante por Tempo de Glória (1990) e como ator por Dia de Treinamento (2002), ele finalmente estrela um filme à sua altura depois de uma série de fiascos.

Em O Voo (Flight), de Robert Zemeckis, Denzel mostra que continua em forma na arte de atuar bem.

No longa ele interpreta Whip Whitaker, experiente piloto que consegue salvar a vida de seus passageiros em um voo comercial. A manobra arriscada, que poderia transformar Whip em herói, acaba trazendo à tona um problema pessoal: o piloto é alcoólatra. O uso de álcool e drogas antes e durante o voo colocam Whip em uma situação extrema: continuar mentindo para permanecer herói ou encarar sua dura realidade.

Diante de um personagem complexo, Denzel esbanja talento, o que valeu ao ator sua sexta indicação ao Oscar. O Voo também concorre como melhor roteiro original. O elenco coadjuvante, que conta com nomes como Don Cheadle, John Goodman, Kelly Reilly, Bruce Greenwood e Melissa Leo, também têm bons momentos. Outro destaque é a competente direção de Robert Zemeckis, o diretor da clássica trilogia De Volta para o Futuro. Afastado das produções 'de carne e osso' - dedicou os últimos anos à animação - Zemeckis mostra versatilidade e segurança nas boas cenas de ação - em especial a do acidente de avião - e também nas sequências dramáticas que envolvem o vício do protagonista.

O Voo é uma daquelas produções em que ator e diretor fazem toda a diferença. Denzel Washington e Robert Zemeckis são os responsáveis por fazer deste drama, que tinha tudo para ser piegas, um ótimo filme.

 

Nota:

 

Crítica por: Janaina Pereira (Cinemmarte)