Após ser banido dos cinemas, 'Django Livre' volta a ser exibido na China

26.04.2013
Renato Marafon

'Django Livre' estreou na China dia 11 de abril, mas foi retirado dos cinemas um dia após sua estreia.

Em alguns cinemas, as sessões foram interrompidas após um minuto de projeção, "por razões técnicas", de acordo com um aviso distribuído para as empresas de cinema.

A razão do bloqueio foram cenas de nudez, que levou aos cancelamentos repentinos, apesar de sua revisão de pré-lançamento oficial.

Hoje, a Sony Pictures conseguiu se resolver com a o orgão regulamentador da censura no país, e o filme teve sinal verde para voltar a ser exibido nas salas de cinema.

A reestreia acontecerá dia 7 de maio, após o diretor Quentin Tarantino efetuar algumas mudanças na edição - como eliminar toda a nudez da produção.

A China é conhecida por sua alta censura com todo e qualquer conteúdo violento e político, e os filmes norte-americanos passam por uma alta avaliação para estrear por lá. Apenas 10% das produções norte-americanas são lançadas na China, após passar pelos censores extremamente rígidos.

Apesar de ser o segundo maior mercado cinematográfico do mundo, atrás apenas dos EUA, o governo chinês mantém um bloqueio sobre o número de filmes estrangeiros que são exibidos por lá.

'Django Livre' levou os Oscars de Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Roteiro Original, e arrecadou ótimos US$ 413 milhões mundialmente. Ambientado no sul dos Estados Unidos dois anos antes da Guerra Civil, 'Django Livre' é estrelado pelo vencedor do Oscar®, Jamie Foxx, como Django, um escravo cujo histórico brutal com seus ex-senhores o coloca cara a cara com o caçador de recompensas alemão, dr. King Schultz (o vencedor do Oscar®, Christoph Waltz). Schultz está no encalço dos sanguinários irmãos Brittle, e Django é o único que pode levá-lo à sua recompensa. O heterodoxo Schultz compra Django com a promessa de alforriá-lo assim que capturar os Brittle – mortos ou vivos.